Sociedade
11 Setembro de 2022 | 09h42

País necessita de dez mil profissionais de Saúde Mental

Angola precisa de pelo menos dez mil psicólogos, com realce para os formados na especialidade clínica, para serem inseridos, maioritariamente, nas unidades públicas de saúde, revelou Nvunda Tonet, profissional da referida área.

Com esse número de especialistas, o psicólogo clínico acredita que o país estaria em condições de atender condignamente os seus mais de 30 milhões de habitantes.

O psicólogo clínico Nvunda Tonet, que falava em torno do Dia Mundial de Prevenção Contra o Suicídio, assinalado ontem, realçou que o país não dispõe sequer da metade dos dez mil especialistas da área que são necessários.

Para agravar a situação, Nvunda Tonet lamentou o facto de a maioria dos poucos psicólogos inseridos na rede pública estar concentrada na província de Luanda.

Em função dessa realidade, o psicólogo avançou que  a capital do país costuma a receber pacientes que saem de outras regiões em busca de tratamento.

Uma boa nova, realçou, está no facto de ter sido aberto, recentemente, um serviço de psiquiatria, na cidade do Lubango, província da Huíla, e prevê-se a instalação de cada uma unidade no Huambo e numa província do Norte do país.

Mas, tendo em conta a experiência do país, o especialista defendeu que o ideal era ter os serviços de Saúde Mental inseridos no Programa de Municipalização dos Serviços de Saúde, implementado pelo Ministério de tutela.

"As pessoas precisam de encontrar os serviços de Saúde Mental como psicologia, psiquiatria, neurologia e outros dentro das comunidades, porque, desta forma, estaríamos a prevenir doenças mentais, evitar o suicídio e mais alguns males” frisou o especialista.

Sobre a falta de profissionais de Saúde Mental mais próximos das comunidades, Nvunda Tonet considerou a situação de bastante preocupante, principalmente, porque muitos doentes são obrigados a esperar de três a seis meses para serem atendidos.

"A lista de espera é longa, e quando chega a vez do cidadão ser atendido, provavelmente já tenha cometido um suicídio ou a doença evoluído em estados quase que incontroláveis. Por isso, temos muitos suicídios”, lamentou o psicólogo clínico.

 
Psiquiatria atendeu mais de três mil

O número de pacientes nas unidades de assistência psicológica tende a aumentar. No primeiro semestre do ano passado, dados do Hospital Psiquiátrico de Luanda apontavam para mais de três mil casos atendidos só no banco de urgência.

Realçou que a maioria desses pacientes era proveniente de todas as partes do país, tendo em conta a inexistência de psicólogos e psiquiatras ela falta de profissionais de Saúde Mental nas localidades de origem. "Se essas pessoas tiverem esses serviços permanentemente nas unidades sanitárias mais próximas, primeiro, evitam-se os longos tempos de espera e, segundo, diagnosticam-se precocemente possíveis sinais de transtornos mentais”, mencionou.

Por isso, Nvunda Tonet defendeu a necessidade urgente de se olhar mais para a Saúde Mental, por causa da tendência do aumento de casos de suicídio.

Em relação aos suicídios, no primeiro semestre do ano passado, o país registou 345 casos. Mas, alerta que estes números não reflectem à realidade geral do país, dado ao facto de muitas estatísticas não chegarem às instituições competentes.

Realçou, igualmente, a necessidade da melhor distribuição dos psicólogos pelo país. Para o especialista, essa opinião é válida, se considerar que um problema apresentado de uma forma em Luanda, dificilmente o será no Saurimo ou Uíge, em função dos factores culturais, que influenciam o comportamentos de cada pessoa.

"Logo, o profissional de Saúde Mental tem de estar bem atento a esses pormenores, para prestar uma melhor assistência ao paciente e explicar aos familiares como deverão lidar com a situação”, acentuou o especialista.


Concurso público à vista

Esse quadro de escassez de recursos humanos na especialidade pode diminuir significativamente, ainda este ano, caso se efective o concurso público, para a admissão de um total de 1.221 profissionais de saúde mental, entre os quais psicólogos clínicos.

O primeiro passo para a inserção destes profissionais, pelo Ministério da Saúde, segundo Nvunda Tonet, estava previsto para 21, 22 e 23 deste mês, com a realização de exames nacionais.

Com a entrada desses novos profissionais no mercado, o psicólogo clínico acredita que o atendimento aos casos de Saúde Mental estariam, razoavelmente,  resolvidos nalgumas regiões do país.

"Mas, é importante colocar estes profissionais nos centros de saúde e não apenas nos hospitais de nível médio e terciário como tem acontecido até agora, porque, se assim for, os problemas vão continuar”, alertou Nvunda Tonet.   

O especialista em Psicologia Clínica chamou a atenção para a necessidade de todos criarem o hábito de consultar um psicólogo, desde casais, crianças com dificuldades na escola ou trabalhadores, inclusive, tendo em conta que esse profissional pode e deve estar ali onde existam pessoas.

"Dessa forma, o psicólogo ajuda as pessoas a lidarem com as suas próprias emoções, auto-estima e outras situações sem que haja necessariamente  alguma perturbação”, rematou o quadro do Hospital Psiquiátrio de Luanda.



Fonte: JA