Sociedade
08 Setembro de 2022 | 10h00

Vencedores do Prémio SADC de Jornalismo foram premiados ontem na cidade de Luanda

Jornalistas angolanos vencedores das categorias de Rádio, Televisão e Imprensa do Prémio SADC de Jornalismo foram premiados, ontem, em Luanda.

Jaquelino Figueiredo, do Jornal de Angola,  conquistou o segundo lugar na categoria de Imprensa.
Na categoria de Rádio sagrou-se vencedor o jornalista da RNA, Aristides Kito, e em Televisão venceu o jornalista da TPA, Cândido Calombe. 

A cerimónia de entrega dos certificados aos vencedores contou com a presença do ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem. 

Os vencedores foram anunciados no dia 17 de Agosto, deste ano, por altura da realização da 42ª Cimeira Ordinária dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), realizada em Kinshasa, na RDC. 

O jornalista Aristides Kito, venceu com a peça intitulada "Comércio transfronteiriço entre Angola e RDC/uma rota comercial procurada, mas que precisa de remover obstáculos”, com 73 pontos, dos 100 possíveis. 

Cândido Calombe somou 71 pontos com a peça sobre a "Importância do Rio Zaire na SADC”, que lhe deu o prémio na categoria de Televisão, enquanto o jornalista Jaquelino Figueiredo obteve o segundo lugar com a peça sobre "O impacto da praga dos gafanhotos na segurança alimentar da SADC”, com 64,6 pontos. 

Em Angola, a edição 2022 do Prémio SADC de Jornalismo foi representada com 11 candidaturas, no conjunto das categorias de Imprensa, Rádio e Televisão, desta vez, sem a participação de Fotojornalismo. 

Na ocasião, Manuel Homem felicitou os vencedores, particularmente a província do Zaire, por ter conseguido duas importantes distinções, "que serviram para demonstrar que também se faz Jornalismo no resto do país. Hoje, temos motivos suficientes para celebrar e dignificar os nossos jornalistas. Afinal, não é sempre que se consegue alcançar tamanha vitória, considerada inédita na história da participação de Angola no Prémio SADC de Jornalismo”, disse o ministro. 

O ministro encorajou os vencedores no sentido de continuarem a trabalhar com brio e dedicação, para dignificarem o mérito alcançado. 

Para o governante, a conquista de prémios, distinção e reconhecimento resulta da criação e disponibilização de condições técnicas, materiais, humanas e do reforço das competências e habilidades de cada um ou de um colectivo. 

Manuel Homem, sem tirar o mérito de cada um dos jornalistas vencedores, recordou que o Executivo continua a apostar na resolução dos problemas do sector, permitindo a realização de um conjunto de investimentos e transformações, que têm contribuído para a melhoria e refinamento do produto final dos jornalistas. 

O ministro reconheceu que ainda existem grandes desafios no sector, concretamente no capítulo do Jornalismo, onde as tecnologias de informação e comunicação desempenham o papel central no processo de recolha, tratamento e divulgação. 

Encorajou outros profissionais do sector a fazerem mais e melhor, na prática diária de informar com verdade, para que possam destacar-se na conquista de distinções, nos mais variados certames, tanto no país, como fora dele. 

Ao Comité Nacional de Adjudicação de Angola do Prémio SADC de Jornalismo 2022 e respectivo júri endereçou o mais vivo reconhecimento pelo excelente trabalho realizado, pela grandeza e capacidade de avaliação das obras finalistas, que permitiu a conquista inédita. 

 

Prémio SADC 

O Prémio SADC de Jornalismo foi criado em 1996, para encorajar os meios de comunicação e os profissionais da região a desempenharem um papel de liderança na disseminação de informação sobre a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, para apoiar o processo de cooperação e integração. 

A edição 2022 do Prémio SADC de Jornalismo teve quatro fases distintas, nomeadamente apresentação das candidaturas, selecção e aprovação dos concorrentes, que decorreu de 20 de Outubro de 2021 a 28 de Fevereiro do ano em curso. 

A segunda fase foi de avaliação do júri, das peças que concorreram ao concurso, onde o jurado trabalhou com um indicador de dez critérios de avaliação e um formulário de classificação, em que a escala de pontuação atingiu os 100 pontos. 

A terceira centrou-se na confirmação de apresentação das peças vencedoras internamente, para a disputa da etapa regional. 

A quarta e última deveu-se à votação pelos estados-membros, de todas as peças ao concurso, que teve lugar na mesma altura da realização da 27ª Reunião do Comité Regional de Adjudicação, de 21 a 23 de Junho. 

De recordar que é a primeira vez, numa só edição do Prémio da SADC, que jornalistas angolanos conquistam três prémios. 

Fonte: JA