Sociedade
20 Julho de 2022 | 20h45

Turistas estrangeiros enaltecem paz em Angola

O coordenador da comitiva de turistas estrangeiros em visita a Angola, Nicolas Southens, enalteceu esta quarta-feira, no Huambo, o contributo da paz e da reconciliação nacional no desenvolvimento e promoção do turismo no país.

Falando à imprensa, no final de uma visita de dois dias que 26 turistas estrangeiros oriundos de Dar Es Salaam, Tanzânia, efectuaram à cidade do Lobito, província de Benguela, e ao Planalto Central, Nicolas Southens disse que o grupo constatou inúmeros avanços alcançados pelos angolanos depois do período de guerra, que durou quase 30 anos.

Afirmou que antes de chegar ao solo angolano, concretamente às províncias do Moxico, Bié e Huambo, a delegação turística tinha uma visão muito diferente de Angola, tendo em conta as informações

 sobre as consequências do conflito armado.

No entanto, disse ter verificado avanços significativos e um comprometimento sério do Governo angolano em reconstruir o país, com o objectivo de apagar as imagens negativas deixadas pela guerra e garantir a estabilidade socio-económica.

Apontou o caminho-de-ferro de Benguela e as infra-estruturas reabilitadas e erguidas pelo governo ao longo das províncias do Moxico, Bié e Huambo como resultados da paz efectiva em Angola.


Nicolas Southens, de nacionalidade sul-africana, acrescentou que, para além do desenvolvimento social, o ambiente de paz tem propiciado o interesse dos turistas estrangeiros em visitar Angola, com o objectivo de saberem um pouco mais da sua história e dos hábitos e costumes do seu povo.

"É, por esta razão, que decidimos vir a Angola, porque sabemos que está em paz e que podemos circular com bastante tranquilidade”, disse.

Apelou aos angolanos para participarem, activamente e de forma pacífica, nas eleições gerais de 24 de Agosto próximo, a fim de eleger os futuros dirigentes, para dar continuidade às acções de desenvolvimento do país.

Disse eperar que as eleições decorram num ambiente de paz e harmonia, por ser um factor bastante importante para o reforço da democracia africana.

Por sua vez, o chefe do departamento local do Turismo, Anilson Ernesto, afirmou que a visita dos turistas estrangeiros ao país, a segunda depois de 2019, é resultado do ambiente de paz e de tranquilidade que o país vive há 20 anos.

Declarou que a presença dos turistas estrangeiros, a bordo do comboio de luxo do operador sul-africano "Rovos Rail”,  representa um desafio para o Governo angolano quanto ao investimento no sector do turismo.

Disse que a apesar do pouco tempo que durou a visita, foi possível mostrar algumas potencialidades turísticas da província, que conta com 158 locais, com destaque para o Morro do Moco, uma das Sete Maravilhas de Angola, o Luvili e as águas quentes e frias do Alto-Hama.

Informou que o Gabinete da Cultura, Turismo, Juventude e Desportos tem gizado, em parceria com as administrações municipais, programas que visam uma maior divulgação dos espaços turísticos, para além da reabilitação das vias de acesso, com a finalidade de  atrair mais turistas.

Anilson Ernesto disse que entre Janeiro e Junho deste ano a província registou mil 355 visitas de turistas nacionais e internacionais.

Antes da cidade do Huambo, o grupo de turistas de diversas nacionalidades, entre sul-africanos, italianos, britânicos, dinamarqueses, suíços e russos, cruzou as províncias angolanas do Moxico e Bié.

A comitiva visitou a praça Dr. António Agostinho Neto, junto ao Palácio do Governo, a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima e a zona de tanques de guerras, no bairro da Chiva, antes de seguir para a cidade do Lobito, província de Benguela.

A província do Huambo volta a receber, no próximo dia 26, a segunda delegação de turistas estrangeiros, proveniente de Benguela, que vai igualmente cruzar as províncias angolanas do Bié e Moxico, com destino a Dar Es Salaam, na Tanzânia.