Internacional
12 Junho de 2022 | 20h23

Mélenchon e Macron empatados nas estimativas das legislativas

As primeiras estimativas da primeira volta das eleições legislativas em França dão a coligação de esquerda liderada por Jean-Luc Melénchon e o partido de Emmanuel Macron com cerca de 25% dos votos, com muitos duelos na segunda volta.

Entre as estimativas feitas com os primeiros resultados saídos das mesas de voto que fecharam às 18:00, já que nas grandes cidades fecharam às 20:00 (19:00 em Lisboa), os gabinetes de estudos apontam para uma igualdade na primeira volta das eleições legislativas, com cerca de 25% de votos, uma perda para o partido de Emmanuel Macron que em 2017 teve 28% na primeira volta.

Estes 25% correspondem a cerca de 265 lugares na Assembleia Nacional francesa, sendo que a maioria absoluta se consegue a partir de 289.

A coligação Nova União Popular Ecologista e Social (Nupes) de Mélenchon, que agrupa a França Insubmissa, os ecologistas, os comunistas e os socialistas, fazem um resultado parecido ao de 2017, quando concorreram todos separados.

Um número recorde desta noite é abstenção, com a taxa de participação às 17:00 de 39,42%. As estimativas dos gabinetes de sondagens apontam para uma abstenção entre os 52% a 53%. 

A União Nacional de Marine Le Pen poderá ser a terceira força política podendo chegar aos 20%, com Os Republicanos, maior partido da direita, podem fazer entre 08 a 11%, também menos do que em 2017. O Reconquista de Éric Zemmour deve ficar-se por 4% a nível nacional.

De forma a vencer na primeira volta, o vencedor tem de reunir 50% dos votos que representem pelo menos 25% dos eleitores inscritos. Quando isto não acontece, passam à segunda volta, que se realiza no dia 19 de junho, todos os candidatos que tenham obtido votos equivalentes a mais de 12,5% dos inscritos ou os dois candidatos mais votados.

Assim, os resultados desta noite não vão definir completamente a configuração da Assembleia Nacional nos próximos cinco anos, já que tudo se joga na segunda volta das eleições legislativas, em 19 de junho.

Fonte: NM