Internacional
02 Junho de 2022 | 09h07

Rússia: Exportações de gás russas caem 27,6% nos primeiros cinco meses do ano

"As exportações para países estrangeiros distantes (não incluindo as 11 repúblicas que antes integravam a URSS da Comunidade dos Estados Independentes, CEI) atingiram 61.000 milhões de metros cúbicos, menos 27,6% (ou 23.200 milhões de metros cúbicos) do que para o mesmo período em 2021", disse o grupo no Telegram, sem dar qualquer explicação sobre as razões da queda.

"As exportações de gás para a China através do gasoduto Power of Siberia estão a aumentar, como parte de um contrato a longo prazo entre a Gazprom e a China National Petroleum Corporation (CNPC)", acrescentou o 'gigante' russo.

Esta queda nas entregas diz, portanto, respeito principalmente à União Europeia (UE).

Devido à ofensiva da Rússia na Ucrânia, a UE está a tentar reduzir a sua dependência do gás russo que anteriormente representava 40% das suas importações anuais de gás -- e encontrou outros fornecedores nos Estados Unidos para um terço das suas compras.

Além disso, alguns países recusaram-se a pagar as suas compras de gás russo em rublos, como foi recentemente exigido pelo Presidente russo, Vladimir Putin, como retaliação contra as sanções impostas a Moscovo.

No final de Abril, a Gazprom anunciou que tinha suspendido todos os fornecimentos de gás à Bulgária e à Polónia.

A lista de clientes europeus que se recusam a pagar em rublos está a crescer, o que deverá reduzir ainda mais as exportações no futuro: em 21 de Maio, as entregas na Finlândia foram interrompidas.

Na terça-feira, as entregas para a GasTerra holandesa foram afectadas, e hoje as entregas para o Ørsted da Dinamarca e Shell Energy Export.

No comunicado de imprensa, a Gazprom indicou também que as reservas de gás nas instalações de armazenamento subterrâneo europeias ascendiam a 20.400 milhões de metros cúbicos de gás.

Os fornecimentos de gás russo através da Ucrânia caíram após a entrada das forças russas nas instalações de gás na região oriental de Lugansk.

"Para cumprir o objectivo da UE de ter 90% das instalações de armazenamento cheias, as empresas terão de produzir mais 42.000 milhões de metros cúbicos de gás", disse o grupo.

A União Europeia chegou a um acordo sobre um embargo petrolífero contra Moscovo na segunda-feira à noite, que deverá reduzir as suas importações de petróleo russo em cerca de 90% até ao final do ano para secar o financiamento da guerra de Moscovo na Ucrânia.

Mas a UE-27 está mais hesitante quanto a possíveis sanções contra o gás russo, do qual são ainda mais dependentes.

Fonte: JA