Sociedade
13 Maio de 2022 | 16h38

GPL instala gavetas novas na Morgue Central e põe a de Camama em obra

Temida Câmara 5 da Morgue Central de Luanda têm 10 novas gavetas. Na do Camama, há obras que resultarão em mais 72 gavetas, dentro de 4 meses. GPL reage, assim, à reportagem do NJ sobre o horror das casas mortuárias da capital.

O Governo Provincial de Luanda (GPL) criou, em finais de Abril, 10 novas gavetas para conservação de cadáveres, em resultado da instalação de quatro novas câmaras na Morgue Central da capital. Este reforço surgiu duas semanas depois de uma reportagem do Novo Jornal, publicada na edição n.º 731, de 15 de Abril, ter exposto o horror para que está votada a principal morgue do País, sobretudo a conhecida Câmara 5, que vê agora a sua capacidade oficial reforçada, já que as 10 novas gavetas estarão aí afixadas, permitindo que o local possa agora receber um máximo de 52 corpos, contra os 42 anteriores.

O pelouro de Ana Paula de Carvalho instalou as 10 gavetas num espaço de cinco metros quadrados, na zona adjacente à Câmara 5, temida pela sua fama em acolher cadáveres recolhidos na via pública.

Ao que apurou o NJ, o GPL reaproveitou o espaço onde funcionavam as câmaras frigoríficas instaladas na época da governação de José Aníbal Rocha, entretanto, desactivadas há três anos devido ao seu estado obsoleto.

A este semanário, o director da referida casa mortuária explica como foi distribuído o reforço: são quatro câmara, sendo que duas delas possuem três gavetas cada, enquanto as outras duas câmaras comportam igualmente duas gavetas cada uma.

Manuel Satumba, que também falou em representação do chefe do Departamento dos Serviços Comunitários, Cemitérios, Morgues e Velórios do GPL, considera, todavia, que a quantidade de novas gavetas postas à disposição da Morgue Central de Luanda "ainda é insuficiente", tendo em conta a demanda.

Fonte: NJ