Economia
13 Maio de 2022 | 10h13

“Há fundos disponíveis para o crédito à habitação”

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, reiterou quinta-feira(12), em Luanda, a disponibilidade do capital e condições técnicas necessárias para que os bancos comerciais arranquem, a partir do dia 6 de Junho, com a concessão de crédito habitacional, no quadro do Aviso 9/2022, que autoriza o emprego de parte das reservas obrigatórias nos empréstimos.

José de Lima Massano, falava no final da uma mesa- redonda inserida no Ciclo Anual de Conferências do BNA, realizada, ontem, sob o tema "Dinamização do Crédito ao Sector Bancário: Constrangimentos e Oportunidades”, em que representantes de  instituições do Estado ligadas ao ordenamento territorial, fiscalização e urbanização passaram em revista a estratégia adoptada para reduzir o défice habitacional  num contexto de estabilidade dos preços.

Representantes dos ministérios da Justiça e Direitos Humanos (MJDH) e Obras Públicas e Ordenamento do Território (MINIOPOT), bem como da Administração Geral Tributária (AGT), Associação  dos Profissionais Imobiliários de Angola (APIMA) e Instituto de Planeamento e Gestão Urbana de Luanda(IPGUL) foram unânimes quanto à necessidade da remoção dos  constrangimentos relacionados com a burocracia dos bancos comerciais e a escassez de terrenos infra-estruturados para fins de auto- construção dirigida.

O governador do banco central recordou, na ocasião, que a publicação do Aviso 9/2022 foi antecedida de prévia interacção e auscultação dos vários intervenientes, assim como fez-se circular um rascunho do  próprio aviso para as devidas contribuições e aferir a solidez do projecto.

"Depois deste evento, acredito que não existe uma vírgula a ser mudada no aviso. Agora, resta fazê-lo acontecer, pois não se coloca a questão, certas vezes levantada, relativa à pressão sobre os bancos. É só cumprir com disposições normativas do regulador, com base em procedimento para que o crédito seja  feito com segurança”, disse.


Fonte: JA