COVID-19
23 Abril de 2022 | 01h32

África do Sul regista aumento de novas infecções

A África do Sul regista o número mais alto de infecções com Covid-19 dos últimos três meses, anunciaram ontem as autoridades, com o ministro da Saúde a considerar o ressurgimento dos contágios "preocupante".

"Nos últimos dias, temos visto sinais preocupantes de um aumento do nível de infecções", disse o ministro da Saúde, Joe Phaahla, citado pela agência francesa de notícias, a France-Presse (AFP).
De acordo com o Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD), foram notificados 4.631 casos de infecção nas últimas 24 horas, e no dia anterior tinham sido registados 4.406 novos casos.

Os números revelados hoje mostram um aumento de quase 1.300 casos face à média comunicada na semana passada.

Mais de metade dos novos casos na sexta-feira foi registado na província de Gauteng, a mais populosa, que inclui Joanesburgo, enquanto a província de KwaZulu-Natal, atingida por inundações nas últimas semanas, registou o segundo maior número de novas infecções.

No início de março, o país tinha estado 48 horas sem uma única morte relacionada com a covid-19, tendo sido a primeira vez que isto aconteceu desde 2020.

A África do Sul, com uma população de quase 57 milhões de habitantes, é o país africano mais oficialmente afectado pelo vírus, com mais de 3,7 milhões de casos e mais de 100.200 mortes.

No total, desde o início da pandemia de covid-19, já houve 11,3 milhões de infecções, que resultaram em 251 mil mortes no continente, disse esta semana o diretor do Centro Africano de Prevenção e Controlo de Doenças (África CDC), John Nkengasong, acrescentando que a tendência da última semana, de 11 a 18 de Abril, mostra um acréscimo de 16.500 novos casos, que representa uma diminuição de 21% face aos números da semana anterior.

"Os países com mais novos casos neste período foram a África do Sul, com mais 9 mil infecções, seguida do Egipto, Tunísia, Seicheles e Zâmbia", apontou o responsável.

Já relativamente ao número de mortes, o panorama é ainda mais positivo, havendo uma queda de 55% no número de óbitos, que desceram de 323 para 144 óbitos entre 11 e 18 de Abril, em comparação com os sete dias anteriores.

Fonte: JA