Economia
11 Abril de 2022 | 13h20

Angola reitera cooperação com Fórum Macau

O ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, reiterou, domingo, o comprometimento de Angola com o Fórum de Macau por ser uma plataforma que está a dinamizar o reforço das relações económicas e comerciais entre a China e os países de Língua Portuguesa.

O governante fez esse pronunciamento em representação do Governo de Angola, na abertura da cerimónia da Reunião Extraordinária Ministerial do Fórum para a Cooperação Economia e Comercial entre a China e os Países  de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), que decorreu de forma híbrida.

Segundo Manuel Nunes Júnior, o Fórum de Macau tem dinamizado acções no sentido da  formação dos recursos humanos, no financiamento para a construção de infra-estruturais, bem como para o aumento  da capacidade de produção dos países  membros.

No entender do ministro, essa plataforma tem produzido sucessos significativos, além de permitir o intercambio cultural e o fomento do turismo e mecanismo de assistência bilateral, desde  Outubro de 2003, altura da criação do mesmo.

Na ocasião, reafirmou o interesse de o país tudo fazer para o sucesso deste Fórum, destacando as reformas para a consolidação da democracia e do Estado de direito e o estabelecimento de uma economia de mercado capaz de diversificar a verdadeira economia angolana, diminuir a dependência do petróleo, e garantir a prosperidade e bem-estar do povo angolano.

A propósito, na cerimónia de abertura do Fórum, o Primeiro-ministro do Conselho de Estado da China, Li Keqiang, enalteceu  os resultado alcançados pelo Fórum de Macau.

O Chefe do Governo da China adiantou as propostas em relação ao reforço da relação entre a China e os Países de Língua Portuguesa e apelou para que todos os Estados defendam a paz e estabilidade em prol do desenvolvimento e prosperidade.

Defendeu, de igual modo, a consolidação da solidariedade e a cooperação no sentido de se superar o mais cedo possível a pandemia e, assim, impulsionar-se a retomada da actividade económica.

Após a abertura, seguiram várias  mensagens de congratulação de políticos de Alto Nível dos Governos dos oito Países de Língua Oficial Portuguesa, enaltecendo, com apreço, o papel desempenhado pelo Fórum de Macau e os significativos resultados conseguidos pelo mesmo.

Os participantes aduziram ainda recomendações e sugestões construtivas e valiosas sobre o desenvolvimento do Fórum, atribuindo alta expectativa à continuidade do reforço da cooperação económica e comercial entre a China e os PALOP, nos mais variados sectores, sob o enquadramento do Fórum de Macau.

Os ministros assinaram a Declaração Conjunta da Reunião Extraordinária Ministerial e emitiram a Declaração sobre a aprovação da adesão oficial da República da Guiné Equatorial ao Fórum de Macau como o 10º país integrante.

O Fórum de Macau organiza, trienalmente, uma Conferência Ministerial.

Nestes encontros ministeriais foram aprovados os "Planos de Acção para a Cooperação Económica e Comercial” que definem e planificam a cooperação nos âmbitos económico e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa em sequências trienais, entre outras acções.

Vista parcial da cidade de Luanda (arquivo) © Fotografia por: Divulgação

Fonte: ANGOP