Política
26 Janeiro de 2022 | 09h57

Carlos São Vicente começa a ser ouvido em tribunal

A 3ª Secção Criminal do Tribunal da Comarca de Luanda dá início, hoje, ao julgamento de Carlos São Vicente, ex-presidente do Conselho de Administração da antiga companhia AAA Seguros, detido no Estabelecimento Prisional de Viana, desde Setembro de 2020, sob acusação dos crimes de peculato, participação económica, tráfico de influência e branqueamento de capitais.

De acordo com a acusação, esta acção terá lesado a Sonangol em mais de 900 milhões de dólares. São Vicente é acusado de, no período entre 2000 e 2016, ter levado a cabo "um esquema de apropriação ilegal de participações sociais” da AAA e de "rendimento e lucros produzidos pelo sistema” de seguros e resseguros no sector petrolífero em Angola, graças ao monopólio da companhia.

Em declarações, ontem, à Rádio Nacional de Angola, para fazer um comentário sobre o julgamento, o analista José Fernandes disse tratar-se de uma boa oportunidade para a descoberta da verdade.

"Trata-se de um caso bastante mediático. Lembrar que São Vicente foi preso a 22 de Setembro de 2020 e a marcação do julgamento para 26 de Janeiro deste ano significa que a Procuradoria-Geral da República está a trabalhar, tal como todo o sistema de Justiça, ouvindo todas as partes envolvidas na acusação contra São Vicente, que é relacionada com o crime de peculato e desvio de fundos da Sonangol, equivalente a 900 milhões de dólares”, disse.

 José Fernandes considerou que a sociedade está expectante com o julgamento porque valoriza o trabalho que os órgãos de Justiça tem estado a desempenhar. "Vamos confiar na Justiça”, exortou o analistas, antes de pedir para que não se faça um julgamento prematuro das acusações contra São Vicente, pois, até prova em contrário, ele é inocente. Ivo São Vicente, filho do empresário, também envolvido no processo, tem dito que o seu pai foi detido injustamente, o mesmo ponto de vista defendido pelos advogados de defesa que chegaram a fazer vários pedidos de libertação e de habeas corpus do seu constituinte, mas sem sucesso.


 Lista de bens apreendidos

No quadro do mesmo processo, o Serviço Nacional de Recuperação de Activos da Procuradoria-Geral da República apreendeu os edifícios AAA, os hotéis IU e IKA, localizados no país, e o edifício IRCA, na Rua Amílcar Cabral, em Luanda.

A lista de bens e activos apreendidos inclui, ainda, a participação social minoritária, de 49 por cento da AAA Activos, no Standard Bank Angola, onde o empresário era administrador não executivo, bem como o congelamento de contas bancárias conjuntas com a sua esposa, Irene Neto. Carlos São Vicente acumulava, entre 2000 e 2016, as funções de director de Gestão de Riscos da Sonangol e de presidente do Conselho de Administração da companhia AAA Seguros, sociedade em que a petrolífera angolana era inicialmente a única accionista.

Fonte: JA