Sociedade
06 Outubro de 2021 | 08h47

Príncipe dos Dembos vai hoje a enterrar

O príncipe dos Dembos, Dom António Salvador, que morreu no passado dia 1 deste mês, em Luanda, vítima de doença prolongada, é enterrado hoje, na sua terra natal, uma perda que a direcção do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente considera um vazio irreparável.

Profundamente consternado pelo infortúnio, o Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, manifestou, numa mensagem de condolências, assinada pelo ministro Jomo Fortunato, que os feitos do príncipe dos Dembos devem ser preservados na memória colectiva.

Aos 14 anos, António Salvador, que nasceu a 7 de Dezembro de 1933, trabalhou como aprendiz de carpintaria na Missão Católica dos Dembos, tornando-se mestre deste ofício, alguns anos depois. Em 1961, depois da destruição de Banza Quibaxe, pelo Exército Português, Dom António Salvador foi para as matas, tal como aconteceu com a maioria da população dos Dembos, tendo sido capturado e preso por um período de três meses, na cadeia de Quibaxe. Anos depois, foi desterrado com a família, para a localidade de Quiximba, município do Tomboco, Zaire.

Dom António Salvador chegou a Príncipe dos Dembos, no dia 27 de Outubro de 1999. Foi empossado a 30 de Maio de 2000, quando tinha 66 anos, depois de cumprir com todos os rituais tradicionais.  
 

Consternação
Os munícipes dos Dembos, no Bengo, choram pelo desaparecimento físico de Dom António Salvador, de 87 anos, considerado a maior autoridade tradicional da província, que controlava o Principado dos Dembos, território que pertenceu ao antigo Reino do Congo.

Para o administrador municipal, Fonseca Canga, Dom António Salvador vai continuar a ser um dos maiores símbolos culturais do Bengo, em geral, e dos Dembos, em particular.
A governadora do Bengo, Mara Quiosa, vai participar no funeral, que acontece no município dos Dembos.

Fonte: JA