Cultura
20 Março de 2021 | 11h23

Escritores defendem massificação da poesia em Angola

A massificação da poesia em Angola é um desiderato que os escritores nacionais defendem de forma unânime, apelando a necessidade da criação de políticas públicas que possam articular movimentos literários a nível dos bairros e comunidades no país.

A propósito do Dia Mundial da Poesia, a assinalar no domingo, 21 de Março, à Angop ouviu nesta sexta-feira, em Luanda, escritores que delinearam alguns métodos no sentido de se retirar da inércia (ausência de actividades literárias constantes) esse género caracterizado pela lírica, épica e drama, reconhecendo assim, o mau estado da poesia em termos de qualidade e quantidade.

Em poucas palavras, o compositor e poeta, Lídio Silva, lamentou o actual momento da poesia no país, sublinhando que há quase nada em termos de actividades poéticas de realce e produção de mais livros. 

Carlos Pedro, presidente da Brigada Jovem de Literatura de Angola (BJLA), considera legítimo a afirmação de que o movimento em torno da poesia fraquejou, mas explica que a situação se deve ao facto de, nos últimos anos, as instituições voltadas para actividade literária deixaram de funcionar e de ter impacto na vida dos amantes da poesia.

Fonte: Angop