Ciência
06 Agosto de 2020 | 13h04 - Actualizado em 06 Agosto de 2020 | 13h05

Sim, os cães podem identificar indivíduos infetados com novo coronavírus

Um novo estudo alemão, realizado por cientistas da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, publicado na revista BMC Infectious Diseases, e divulgado em pormenor pela revista Galileu, aponta que os cães conseguem farejar pessoas infetadascom o novo coronavírus.

Segundo os investigadores, animais treinados têm a capacidade de aprender em apenas oito dias a distinguir pessoas doentes com Covid-19, relativamente a quem não está afetado pela patologia pulmonar.

Para efeitos daquela pesquisa, os investigadores usaram oito cães especializados em deteção de odores. Depois do treino, estes conseguiram reconhecer com precisão 94% das 1.012 amostras de saliva ou secreções da garganta de doentes com Covid-19.

Conforme explica a Galileu, os patudosconseguiram isolálas com sensibilidade média – deteção de amostras positivas – de 83% e especificidade – identificação de amostras de controle negativo – de 96%.

Esther Schalke, especialista em comportamento animal, e membro das forças armadas alemã, disse, num comunicado emitido à imprensa, que a identificação de cheiro nos cães é bastante mais eficaz do que seria de esperar.

“Todavia, ficamos surpreendidos com a rapidez com que os nossos cães poderiam ser treinados para detetaramostras de indivíduos infectados pelo SARSCoV-2″, contou Schalke.

Na opinião de Holger A. Volk, presidente do departamento de medicina e cirurgia de pequenos animais da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover: “construímos uma base sólida para estudos futuros explorarem o que os cães fazem e se podem ser usados para discriminar também entre diferentes estágios de doenças”.

Fonte: Lifestyle ao Minuto